fbpx
Gerenciamento de leitos e como a inovação proporciona agilidade e eficiência na troca de enxoval nos hospitais

Em um espaço de apenas cinco anos, o número de internações em hospitais particulares cresceu 51%. Segundo levantamento recente publicado no Observatório 2016, da Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), em 2010, houve 466.639 internações; em 2015, o número saltou para 961.440. Face a esse incremento, faz-se mais do que necessário observar a cadeia completa de gerenciamento da permanência hospitalar para melhorar a agilidade desse processo.

 

Atualmente, o Brasil tem cerca de 2,4 leitos por mil habitantes – taxa inferior à do padrão estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 3 a 5 leitos por mil. Entre os principais agravantes do quadro atual está o fechamento de hospitais particulares e redução da mão de obra contratada. Ou seja, menos hospitais e menos colaboradores fazem a demanda por eficiência aumentar.

 

Apesar de o tempo médio de permanência hospitalar estar equilibrado em quatro dias nos últimos cinco anos, (segundo o mesmo documento Observatório 2016, da ANAHP), a gestão precisa dar máxima importância ao giro de leitos para liberação de apartamentos. Do momento em que o paciente é admitido até a emissão da alta, a estadia do paciente deve ter um único objetivo: sua melhora clínica no menor tempo possível.

 

Algumas instituições optam em criar um setor para gerenciamento de leitos. Áreas envolvidas como enfermagem, manutenção, higienização, rouparia e corpo clínico devem ter consciência de seu papel e impactos nas falhas de processo. O preço de um leito parado, lâmpada quebrada, falta de enxoval e até mesmo interdições para pequenas reformas oneram as instituições.

 

O segmento de limpeza profissional está constantemente se reinventando para garantir maior velocidade na higienização dos apartamentos e no serviço de rouparia. A Rubbermaid Commercial Products, uma das líderes mundiais do setor, busca sempre inovar seu portfólio e oferecer novas soluções para o mercado de saúde.

 

Alterações aparentemente simples no design dos produtos podem garantir maior agilidade. Na hora de recolher a roupa suja, por exemplo. A Rubbermaid incluiu canais de ventilação no seu contêiner Brute. Eles evitam que o ar fique preso, fazendo pressão na hora de retirar os sacos. Isso facilita a remoção em até 50%, reduzindo o esforço da atividade e melhorando a produtividade.

 

Outros produtos também se propõem a facilitar e agilizar o serviço de troca. Carros cuba podem ser utilizados com plataforma elevatória, que facilitam o carregamento e descarregamento e facilitam o deslocamento para a área das lavanderias.

 

O sistema Hygen, da Rubbermaid, é utilizado em hospitais como uma solução completa de limpeza. Testado em redes privadas de hospitais e comparada com os sistemas de limpeza padrão, o carrinho tem um desempenho muito superior. Além de reduzir em 98% o consumo de água e em 47% o uso de produtos químicos, o Hygen reduz o tempo total da atividade em 27%.

 

Um quarto de hospital arrumado mais rapidamente significa um leito liberado em menos tempo para um paciente. Em muitos casos, a acomodação e o conforto são o primeiro passo para um tratamento eficiente.

Ivan Monteiro

Colunista do blog da ABRAFAC, Ivan Monteiro é jornalista com Pós-Graduação em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais.
Fechar Menu
×

Carrinho