Congresso ABRAFAC 2020: AKMX fala sobre vivência híbrida dos escritórios

Painel abordou desmistificação do home office total

Representantes da AKMX, empresa de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, falaram sobre a vivência híbrida dos escritórios durante o Congresso Brasileiro de Facility Management, Property & Workplace 2020. O painel com o tema “Efeito ‘office home’: a desmistificação do 100% home office para uma vivência híbrida dos escritórios” foi o primeiro da tarde desta quarta-feira, 07 de outubro, segundo e último dia do evento.

As palestrantes foram Erica Prata, diretora comercial na AKMX, e Denise Moraes, diretora de projetos na AKMX. Na apresentação, as profissionais detalharam as mudanças previstas para o uso de escritórios em meio à pandemia de covid-19.

“O conceito de ‘office home’ busca o ponto de equilíbrio entre o trabalho em casa e o trabalho no escritório”, afirmou Erica Prata. “Nesse momento, a maior parte das empresas está olhando para dentro, se reinventando e se perguntando qual o melhor momento e a melhor forma para retornar. Esse é o momento adequado para que o uso híbrido dos escritórios e o equilíbrio entre eles venha à tona”, considerou também.

As diretoras da AKMX apresentaram ainda novos conceitos para os espaços. “Trabalhar em casa é possível, desde que coordenado com o trabalho no escritório, congregado em uma solução única. Para isso, é preciso pensar em três condicionantes: espaço, cultura e tecnologia”, detalhou Denise Moraes. A junção destes conceitos é a base do UX (User Experience – Experiência do Usuário), que, segundo as palestrantes, deve estar no centro de todas as mudanças.

Sobre espaço, foi detalhado o conceito de smart office, que se resume à inteligência de projetar e trazer ambientes adequados para cada uso. Assim, não é a pessoa que se adapta ao espaço, mas o espaço que se adequa ao usuário.

“O novo modelo de escritório tem que buscar flexibilidade, espaços flexíveis, que possam ser compartilhados por mais de uma pessoa. Uma vez que parte da equipe ou toda a equipe fará parte do trabalho fora do escritório, não é preciso mais ter uma mesa para cada funcionário”, afirmou Erica.

Além disso, Denise afirmou que é preciso implantar novas culturas, novos hábitos e metodologias, condicionados às novas gerações. Isso porque em 2025, as gerações nascidas de 1980 a 2000 vão representar 60% do mercado. Entretanto, as alterações devem contemplar a todos, de forma inclusiva e holística.

Desta forma, a tecnologia mostra-se como um dos pilares para o alto desempenho das equipes, segundo as palestrantes. assim, essa é a base que vai permitir a mudança dos escritórios

“O FM tem o papel de aliar os profissionais que vão remodelar os escritórios, aliar o time do RH para trazer a cultura para esse processo, assim como o time de tecnologia. Essa nova configuração para o retorno é feita de forma colaborativa e o FM tem a missão de conectar esses estudos nessas áreas”, considerou Erica.

Formato híbrido do congresso

Não são somente os escritórios que passam por um processo de mudança. Por conta das medidas de restrição resultantes da pandemia de covid-19, o próprio Congresso Brasileiro de Facility Management, Property & Workplace 2020 foi realizado em um modelo híbrido de transmissão, ao vivo, permitindo a participação gratuita de um público variado, por meio da internet.

“O alcance falando, em escala, é espetacular pois as informações chegam para muito mais pessoas. Mas eu sinto falta de ver as pessoas e olhar nos olhos delas enquanto eu falo. O grande ensinamento com esse momento, será achar o equilíbrio nessa relação”, afirmou Denise Moraes.

“O formato de trabalho em home office pode me fazer ter uma pessoa trabalhando comigo e morando em outra cidade e isso é muito bom, como acontece com esse congresso que está dando a oportunidade de muitas pessoas participarem. Porém, em algumas situações, e não são poucas, o convívio presencial é essencial na relação de trabalho”, considerou Erica Prata.

Por Comunicação ABRAFAC