Entrevista/Facilities Unidos: BRF adota práticas de prevenção à covid-19 para oferecer alimentos de forma segura

Entre medidas tomadas está um compromisso firmado com o Ministério Público do Trabalho para proteger funcionários. 

A BRF, empresa multinacional brasileira do ramo alimentício, adotou práticas de prevenção à Covid-19 para oferecer alimentos de forma segura à população. Entre as medidas adotadas está um compromisso firmado com o Ministério Público do Trabalho para proteger os funcionários.

O gerente executivo de Facilities da BRF, Giulliano Sandrini, detalhou os procedimentos que estão sendo adotados e o que mudou frente à pandemia do novo coronavírus. Confira a entrevista exclusiva ao Portal ABRAFAC:

Portal ABRAFAC – Como a empresa está lidando com a pandemia do novo coronavírus que vivemos, atualmente?

Giulliano Sandrini – Estamos todos passando por um cenário desafiador. A BRF não mede e nem medirá esforços para garantir, em primeiro lugar, a segurança de absolutamente todas as pessoas envolvidas no contexto operacional, trabalhando de forma colaborativa com as autoridades de saúde e os municípios onde está presente. A empresa também se preocupa com toda a cadeia do alimento, que vai do campo até a mesa do consumidor. Desde o início da pandemia, a Companhia já implementou uma série de ações protetivas em todas as suas operações, contando com um Comitê Permanente de Acompanhamento Multidisciplinar, composto por executivos e especialistas, como o infectologista Esper Kallás, além da consultoria do Hospital Israelita Albert Einstein.

Portal ABRAFAC – Quais medidas foram tomadas para evitar a proliferação do vírus entre funcionários, clientes e parceiros?

Giulliano Sandrini – Entre as iniciativas adotadas pela empresa estão o uso obrigatório de máscaras, distanciamento mínimo entre funcionários, medição de temperatura nas entradas das unidades, afastamento de colaboradores do grupo de risco e casos suspeitos, reforço de higienização em diversas áreas e nos veículos de transporte fretado, que passaram a operar com 50% da capacidade de passageiros, busca ativa de potencial contaminação com o intuito de mitigar a exposição ao vírus e a adoção do trabalho remoto de todos os colaboradores que tenham funções administrativas e que possam ser executadas a distância. Na última semana, a empresa colocou em prática duas novas medidas. A primeira delas é o teste para detecção de covid-19 em parceria com hospitais e laboratórios especializados. Já a segunda é uma recomendação para que, antes do deslocamento de casa até o trabalho, os colaboradores meçam a temperatura corporal e, caso constatem febre (acima de 37,8°C), entrem em contato com o nosso canal de atendimento de telemedicina para direcionamentos, antes do deslocamento até a unidade.

Vale ressaltar que, em abril, a BRF assinou um compromisso junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), em nível nacional, que endossa práticas de proteção aos colaboradores que já vinham sendo adotadas. A empresa ainda conta com uma consultoria global especializada também em gestão de riscos  e com esse suporte instituiu um centro de inteligência,  que, entre outras funções, possibilita estar em contato com companhias em outros países, como China, Estados Unidos e Itália, para aprender com a experiência desses países e aplicar melhores práticas,  acompanhando em tempo real o que vem acontecendo na Ásia, Europa e América.

Portal ABRAFAC – Que mudanças em processos da empresa foram feitas por conta da pandemia e das medidas de isolamento?

Giulliano Sandrini – A BRF reforçou as medidas protetivas já realizadas pela companhia e implementou uma série de ações protetivas em todas as suas operações, contando com um Comitê Permanente de Acompanhamento Multidisciplinar, composto por executivos e especialistas, como o infectologista Esper Kallás, e consultoria do Hospital Israelita Albert Einstein, referência no estudo e tratamento de covid-19 no Brasil.

Entre as iniciativas adotadas pela empresa estão uso obrigatório de máscaras e demais EPIs recomendados para proteção contra a covid-19, distanciamento mínimo entre funcionários, medição de temperatura nas entradas das unidades, limite de 50% da capacidade de trabalhadores nos veículos fretados, afastamento de colaboradores do grupo de risco e casos suspeitos, busca ativa de potencial contaminação, reforço de higienização em diversas áreas e nos veículos de transporte, aplicação de testes para diagnóstico da covid-19, vacinação contra gripe e atendimento médico 24 horas sete dias por semana. Em abril, a BRF assinou ainda um compromisso junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), em nível nacional, que endossa práticas de proteção aos colaboradores que já vinham sendo adotadas.   

Portal ABRAFAC – Que mudanças foram feitas para a manipulação e distribuição de alimentos?

Giulliano Sandrini – A BRF implementou uma série de medidas preventivas para todos os nossos colaboradores desde o início da pandemia. Para os colaboradores que estão na linha de frente, reforçamos diariamente os cuidados e as medidas de prevenção e distribuímos álcool em gel e máscaras para 100% da equipe. Abrimos um canal direto com nossos clientes a respeito do tema e ampliamos nossos canais internos de atendimento – que se estendem aos familiares dos nossos colaboradores – que incluem o Dr. BRF (orientações médicas a colaboradores e seus familiares), Telemedicina (consultas online e prescrição médica) e Canal 0800 para dúvidas e sugestões de toda a empresa a respeito do tema. Além disso, afastamos colaboradores do grupo de risco, disponibilizamos trabalho remoto, reforçamos orientações de proteção, suspendemos viagens e intensificamos a higienização de nossos ambientes comuns e nossa frota de veículos interna, muito utilizada pela equipe comercial. Para os motoristas da BRF, a empresa também está com o atendimento do Dr. BRF para os funcionários tirarem dúvidas sobre o coronavírus. O uso de máscaras dentro das unidades e CDs, limitação da circulação nas áreas comuns, oferta de refeições prontas, acompanhamento da área médica, dicas de higiene entre outros, são as medidas adotas pela companhia para os motoristas da BRF.

Portal ABRAFAC – A demanda aumentou ou reduziu significativamente por conta da pandemia? Como a empresa lidou com a mudança?

Giulliano Sandrini – Com o início da quarentena em diversos estados brasileiros, houve uma procura maior por produtos congelados/processados. Na BRF registramos flutuações nos canais de distribuição dos produtos da empresa – food service, pequeno e médio varejo e grandes varejistas – porém, sem alterações relevantes na demanda agregada. Vale destacar que o próprio Governo Federal estabeleceu a indústria de alimentação como um setor essencial para a sociedade.

Portal ABRAFAC – O que a empresa acredita que já pode tirar de lição com este período?

Giulliano Sandrini – Estamos vivendo um período sem precedentes e que tem impactado a todos nós. O consumidor precisou se adaptar a esse cenário, situação essa que impactou a BRF diretamente e positivamente, pois muitos acabaram dedicando mais do seu tempo ao preparo da própria comida, o que fez crescer algumas categorias, como margarina (18%), congelados (31%) e frios (25%). Esse é o momento que todas as empresas, sejam elas de alimentação ou não, praticarem a solidariedade. É hora de estarmos unidos e sermos solidários uns com os outros.

Portal ABRAFAC – Alguma mudança adotada para este momento de quarentena será mantida após a normalização da rotina?
Giulliano Sandrini – Ainda é cedo para afirmarmos quais medidas serão mantidas em prática após esse período de pandemia acabar, já que até hoje temos implementado ações por entendermos que os processos seguem agora em ritmo de melhoria contínua.

Portal ABRAFAC – Até que ponto home office apresenta-se como uma solução nas áreas de atuação da empresa?

Giulliano Sandrini – A BRF mantém em trabalho remoto todos os colaboradores que tenham funções administrativas e que possam ser executadas a distância, inclusive para os trabalhadores que atuam nas fábricas, nestas mesmas condições. Nessas unidades, como o setor de alimentos é considerando essencial, os funcionários da operação continuaram as suas atividades normalmente, porém a Companhia, preocupada com a segurança e saúde de todos os seus colaboradores, intensificou e ampliou as medidas protetivas já realizadas, visando mitigar a propagação do vírus. Toda essa situação tem contribuído para o atual cenário da Companhia, que segue com a sua produção de forma efetiva e mantém seus estoques adequados para atender à população.

Portal ABRAFAC –  E quanto às ações de conscientização da população, como estão sendo feitas?

Giulliano Sandrini – Sempre mantivemos uma interação muito próxima e frequente com diversos níveis de autoridades nas cidades onde atuamos. Todo esse trabalho foi intensificado neste cenário de pandemia, com o intuito de propor e discutir soluções que assegurem a saúde e a integridade física de nossos colaboradores. Além da campanha de prevenção e da criação de canais exclusivos para tratar do tema, a BRF também trabalha o reconhecimento aos colaboradores, com mensagens de agradecimento, dicas para controlar o estresse, protocolos de entrada e saída de casa, cuidados com pessoas dos grupos de risco etc. Também foi criada uma plataforma, atualizada em tempo real, onde todos podem acessar as comunicações sobre a crise. Em diversas cidades, estabelecemos ações de contenção para auxiliar o Poder Público no enfrentamento da pandemia, incluindo doações de insumos médicos e alimentos para hospitais e outras entidades assistenciais. A BRF foi também uma das primeiras empresas a anunciar, em abril, um investimento no valor de R$ 50 milhões em doações para a sociedade, incluindo alimentos, insumos médicos e apoio a fundos de pesquisa e desenvolvimento social.

Portal ABRAFAC – Qual é o impacto do coronavírus nas empresas de facilities, em geral? E na empresa?

Giulliano Sandrini – As empresas de Facilities, em geral, foram muito impactadas pelo coronavírus sem dúvida. Os serviços mais clássicos de Facilities como Limpeza e Segurança Patrimonial, passaram a ter um papel fundamental na prevenção. O aumento da rotina de higienização, foram criados novos fluxos com todos os cuidados no detalhe, redefinidos os EPIs, novos produtos especificados de acordo com cada uso e aplicação, até mesmo para conter a falta de álcool em gel do início da pandemia. A segurança passou a ter uma responsabilidade de impacto fundamental no controle de filas, evitando aglomerações, atuando na aferição de temperaturas e na aplicação dos protocolos rígidos de entrada nas unidades. Desta forma, as áreas e empresas de Facilities como um todo, nos diversos ramos de negócios, passaram a exercer um papel ainda mais fundamental, para conduzir os ajustes estruturais nos processos, e também para acompanhar e disseminar o aprimoramento dos aspectos das mudanças culturais e comportamentais exigidos por este novo momento que estamos passando.

Portal ABRAFAC – Que medidas criativas a empresa tomou para lidar com os problemas que surgiram em decorrência da pandemia?

Giulliano Sandrini – A BRF alterou a sua logomarca nos perfis das redes sociais, visando conscientizar a população sobre a importância de se utilizar máscara durante a pandemia para evitar o contágio da covid-19. A Companhia também promoveu um bate-papo virtual, aberto ao público, com o médico infectologista Esper Kallás, pesquisador e também professor titular do departamento de moléstias infecciosas e parasitárias da Faculdade de Medicina da USP, para abordar o comportamento da doença no Brasil, a importância das medidas de prevenção, além de esclarecer dúvidas. Outros aspectos estruturais também exigiram a criatividade da área de Facilities da BRF em conjunto com a área de Manutenção, para criar diversos utensílios de automações em processos manuais, evitando o toque das pessoas.

Portal ABRAFAC – Em sua visão, essa crise é comparável a alguma outra que o setor de facilities já viveu? Por quê?

Giulliano Sandrini – Cada vez que passamos por uma crise, passamos também pela possibilidade de gerarmos aprendizados incríveis. As crises anteriores, vividas por muitas empresas, referiram-se geralmente por necessidades de reduzir amplamente custos, ou seja, as empresas acabavam focando em buscar processos baratos ou mesmo cortar e enxugar ao máximo os serviços. Nesta crise, porém, a eficiência dos serviços, execução detalhada e especializada, vem forçando as empresas a cumprir protocolos de extremo cuidado e complexidade, exigindo rotina amplamente disciplinada e que potencializa o papel de Facilities como área crucial nos processos de controle e prevenção. Este é o momento que sem dúvida ficará para a história de Facilities, e que fará uma profissionalização ainda mais robusta no setor, exigindo dos profissionais maior amplitude técnica, maior criatividade e profundidade na entrega de soluções adequadas, com custo x benefício viáveis, além de uma velocidade enorme na execução e implementação. Sem dúvida é possível afirmarmos que nunca a área de Facilities foi tão exigida como nos dias atuais.

Portal ABRAFAC –  O que você tem a dizer para os profissionais da empresa que estão atuando na linha de frente diariamente?

Giulliano Sandrini – Agradecemos a dedicação de todos os profissionais que estão atuando na produção de alimentos, não somente a equipe de facilities, mas a empresa como um todo. Como já dito anteriormente, a BRF não mede e nem medirá esforços para garantir, em primeiro lugar, a segurança de absolutamente todas as pessoas envolvidas no contexto operacional e o com o atendimento da demanda da população por alimentos no Brasil e no mundo.

Portal ABRAFAC – E qual recomendação faz para a sociedade?

Giulliano Sandrini – Que todos façam a sua parte, ficando em casa, usando máscara e realizando o isolamento social, assim conseguiremos superar esse desafio. Cuidando de você, você estará cuidando do seu próximo!

COLABORADOR

O supervisor ADM Facilities da unidade de Uberlândia da BRF, Wellington Pinheiro, também falou ao Portal ABRAFAC sobre a nova realidade vivida em meio à pandemia. O profissional relatou a experiência de estar na linha de frente, trabalhando na empresa.

Confira: 

Portal ABRAFAC – Como está sendo para você atuar nessa pandemia em que vivemos atualmente?

Wellington Pinheiro – Está sendo um momento de grande aprendizado, tendo em vista que se trata de um enfrentamento de um inimigo invisível.  Estou aprendendo muito, a empresa disponibilizou muita informação e foi necessário implementar uma nova rotina de trabalho para a minha equipe e gerir uma nova rotina para toda unidade que atendo. Logo no início da pandemia tivemos que agir rapidamente para implementar todas as ações necessárias e recomendadas para prevenção do covid-19, os maiores desafios estão sendo o distanciamento e a não aglomeração. Este período está agregando ao meu desenvolvimento profissional, possibilidade de entregas rápidas, grande exercício de interdependência entre as áreas e compartilhamento de boas práticas entre as diversas unidade da companhia.

 Portal ABRAFAC – O fato de você estar diariamente exposto ao coronavírus preocupa sua família?

Wellington Pinheiro – Sim, mas tomo todas as medidas protetivas necessárias antes de ter contato com qualquer pessoa, seja da família ou não. Lavar bem as mãos, passar álcool em gel e tirar os sapatos e roupas que trabalhei durante o dia ajuda a prevenir a exposição das pessoas ao vírus.

Portal ABRAFAC – Que cuidados você costuma tomar no trabalho para se proteger?

Wellington Pinheiro – No trabalho utilizamos máscara, higienizamos sempre bem as mãos com água e sabão e álcool em gel. Além disso, a questão do distanciamento com os demais colegas de trabalho é importante nesse momento.

Portal ABRAFAC – E quando chega em casa?

Wellington Pinheiro – Quando chego em casa tiro os sapatos e roupas que trabalhei durante o dia e tomo banho. Limpo também todos os pertences que estavam comigo, celular, carteira para não ter qualquer tipo de risco de contaminação.

Portal ABRAFAC – Você está preocupado com o novo coronavírus? Por quê?

Wellington Pinheiro – Sim, estou preocupado. Na BRF tomamos todas as medidas de prevenção como (distanciamento, medição de temperatura, uso de máscaras por 100% das pessoas, álcool em gel, desinfecção das áreas comuns, entre outras). Na verdade, me sinto mais seguro quando estou dentro da empresa, pois fora dela ainda percebo que algumas pessoas não estão efetivamente comprometidas com a prevenção, isso é o que mais me preocupa no momento.

 Portal ABRAFAC – Como o seu trabalho contribui para o país neste momento de crise?

Wellington Pinheiro – Meu trabalho é garantir a implantação de todas as medidas de controle e prevenção contra a covid-19, sinto que meu trabalho tem um impacto muito grande na minha Cidade/Estado/País. Pois acredito que somente com medidas de prevenção, orientação e educação é possível mitigar o impacto desta pandemia. Sou responsável pela área de Facilities de uma unidade com mais de 6 mil funcionários diretos inseridos em uma cidade com aproximadamente 700 mil habitantes, logo, o resultado do meu trabalho com certeza contribui para o controle desta pandemia. Temos uma responsabilidade muito grande em implementar as diretrizes da área de Facilities corporativo para manter nossas unidades em conformidade com as iniciativas de prevenção, garantindo o pleno funcionamento dos procedimentos, começando no transporte dos colaboradores, segurança patrimonial, áreas de vivência, restaurantes e outras áreas da companhia.  Nosso objetivo final é realmente a preservação da vida e saúde de nossos funcionários.

 

Por Jéssica Marques/Foco 21 Comunicação